Entardecer Em Liberdade



Apesar da assinatura do tempo
ao redor dos olhos e cantos da boca
deixo-me esculpir 
por misterioso cinzel de neon
de luz novíssima na tessitura 
de minha divers(idade)...


para que eu vibre na frequência dos amores
e não sucumba à passividade
que me roubaria os albores permanentes
deixo-me entardecer em liberdade...


porém, se ferida pelo descaso
de alguma palavra que não me acaricie 
ignorando-me a ânsia de suas asas
torno-me destroço, fragilidade.


Maria Lucia (Centelha Luminosa)